03/06/2015 - 13:03
Consumo consciente

Deputado estadual Chico Sardelli

A população mundial está disposta a rever seus modelos de desenvolvimento e consumo? Essa é a principal reflexão proposta para o Dia do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, que tem como tema este ano “Sete bilhões de sonhos. Um planeta. Consuma com Cuidado”. A Itália foi nomeada sede das celebrações globais, promovidas pela ONU e organizadas pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

 

Um tema muito pertinente a ser debatido, para que o mundo avalie seus hábitos de consumo. O número de sete bilhões que representa a população mundial por si só já é um desafio para o desenvolvimento sustentável. Água, energia, alimentos; como produzir para uma população gigantesca, de forma universal?

 

De acordo com o Pnuma, muitos dos ecossistemas da Terra estão se aproximando do esgotamento. A população continua a crescer, pressionando os sistemas naturais para alimentar o sistema econômico. Nesse contexto, as atividades referentes ao Dia do Meio Ambiente devem mobilizar a sociedade a perceber não apenas a responsabilidade de cuidar da Terra, mas também o papel que cada cidadão deve exercer nesse processo.

 

Achei muito interessante resultado de pesquisa realizada recentemente pelo Datafolha demonstrando que o brasileiro está preocupado com as mudanças climáticas. Segundo o levantamento encomendado pelo Observatório do Clima e pelo Greenpeace Brasil, 95% dos cidadãos acham que as mudanças climáticas já estão afetando nosso país.

 

Para nove em cada dez entrevistados, as crises da água e energia têm relação direta com o tema. Para 84% dos entrevistados, o governo não faz nada ou faz muito pouco para enfrentar o problema. Eles apontaram ainda algumas soluções para essas questões, como a redução do desmatamento, melhorias no transporte coletivo e investimentos em energias renováveis.

 

A respeito do desmatamento, quero citar dados atuais de que restam apenas 12,5% da área original da Mata Atlântica, onde vivem atualmente mais de 72% da população brasileira. Uma das florestas mais ricas em biodiversidade e uma das mais ameaçadas da Terra. Ainda que os mapeamentos indiquem uma queda no desmatamento, a fiscalização e mobilização para proteção da Mata Atlântica devem ser permanentes, além de se promover a recuperação das áreas já devastadas. As nascentes estão secando por falta de cobertura florestal, falta umidade e fertilidade para o solo, consequentemente vai faltar água nas cidades.

 

O Brasil teve a grande oportunidade de se posicionar na Conferência do Clima, realizada em Paris, mas nosso representante disse que o país não tem pressa para apresentar sua proposta de redução de emissões de gases de efeito estufa. Lamentável. Proteger o meio ambiente significa qualidade de vida para nosso povo.

 

 

 

** Chico Sardelli é deputado estadual pelo Partido Verde






Link:





Deixe seu Comentário


Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.