Anterior

Sumaré encerra em maio inscrições para Casamento Comunitário

14/04/2016

Anterior

Próxima

Dr. José pede informações sobre programa habitacional de SB

14/04/2016

Próxima
14/04/2016 - 20:01
Polícia desvenda crime de sequestro da mãe de milionário e prende três

O delegado Luiz Carlos Gazarini reuniu, hoje (14) a imprensa para prestar alguns esclarecimentos sobre a prisão de envolvidos no sequestro da mãe do empresário barbarernse que ganhou sozinho R$ 111,5 milhões na Mega-Sena, a aposentada Maria Aparecida Simões, 69. o Crime aconteceu no dia 31 de março passado quando uma quadrilha armada com submetralhadoras rendeu a vítima em frente a sua residência no bairro Residencial Furlan com objetivo de pedir resgate para liberá-la do cárcere privado.

O dinheiro não precisou ser pago e a mulher foi libertada em um cativeiro em uma chácara situada em Limeira. De acordo com Gazarini, o crime foi desvendado após agentes de segurança pública serem comunicados pelo dono da chácara alugada para manter a vítima revelar ter o endereço dos autores do sequestro.

De posse das informações, os policiais da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes realizaram buscas, por volta das 6h da manhã desta quinta-feira (14), em um apartamento situado na rua Guilherme Klavin, Jardim Marajoara, em Nova Odessa, onde efetuaram a prisão Alex Alcantara Pigiatto, o Alemão, de 34 anos,e o seu filho Alex Alcantara Pigiatto Júnior.

Os dois envolvidos moravam em Santa Bárbara d' Oeste e se mudaram para o município vizinho há pouco tempo. O terceiro elemento preso não teve o nome revelado. Segundo o delegado, Alex Pigiatto teve como função no sequestro agilizar o aluguel da chácara e ser o responsável por transferir a vítima do primeiro carro ao segundo, além de levá-la ao cativeiro.

Já terceiro elemento teria capturado a mãe do ganhador da Mega-Sena em frente a sua residência e a conduziu até a Estrada da Balsa, onde um outro grupo a pegou para levar ao esconderijo. Esse último, inclusive, chegou atrasado no emprego, razão pela qual teve tempo suficente para participar do delito.

Ao ter sua identidade visualizada pela vítima, o grupo preferiu afastar da ação para não estragar o plano. Os presos foram encaminhados a Cadeia Pública de Santa Bárbara D’Oeste, para cumprimento da prisão temporária de 30 dias.






Link:





Deixe seu Comentário


Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.