Anterior

Baque de Santa e mestre Hugo Leonardo se apresentam em Santa Bárbara

14/04/2016

Anterior

Próxima

Em Brasília, Americana cobra assinatura de contrato para 64 unidades habitacionais

15/04/2016

Próxima
14/04/2016 - 21:55
Americana confirma 15 casos da superbactéria KPC no Hospital Municipal

A Prefeitura de Americana (SP) confirmou um novo caso de paciente infectado pela superbactéria KPC no Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, totalizando 15 casos na unidade desde janeiro, sendo três mortes associadas ao bacilo. A cidade enfrenta um surto da bactéria.

A nova vítima é um homem de cerca de 50 anos que já estava internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e permanece em isolamento. A informação foi confirmada ao G1 nesta quinta-feira (14) pelo médico infectologista da Prefeitura Arnaldo Gouvea.

Segundo o especialista, a unidade faz exames de fezes em todos os pacientes adultos toda semana para verificar se há novos infectados. A KPC fica alojada no trato digestivo da pessoa infectada.

Continuam aparecendo casos, mas estão aparecendo cada vez mais espaçadamente"
Arnaldo Gouvea, médico infectologista

"Continuam aparecendo casos, mas estão aparecendo cada vez mais espaçadamente. Se depois de seis meses continuar aparecendo, podem acontecer duas coisas: a transmissão sustentada dentro na unidade, ou reintrodução via pacientes que chegam ao hospital", explica o infectologista.

A Prefeitura informou que não há previsão de suspensão de cirurgias eletivas e outros serviços na unidade, e que busca informações sobre outros possíveis casos da bactéria KPC em unidades particulares da cidade.

Mortes e outros casos

Com relação aos óbitos associados à bactéria multirresistente KPC (Klebsiella pneumoniae), as três vítimas são homens acima dos 50 anos de idade que estavam internadas na UTI há mais de um mês, segundo Gouvea.

Dos demais 12 pacientes, cinco permanecem internados no hospital, sendo três na UTI e dois em um isolamento na enfermaria, e os demais sete já tiveram alta.

Arte superbatéria KPC (Foto: Editoria de Arte/G1)

Uma equipe de enfermeiros e técnicos de enfermagem foi deslocada para cuidar somente desses pacientes. Os aparelhos utilizados neles, como estetoscópio e medidor de pressão arterial, são de uso exclusivo, segundo a Prefeitura.

Origem das contaminações


Segundo Gouvea, o hospital não possui tecnologia suficiente de biologia molecular para descobrir sozinho se todos os casos de infecção ocorreram porque o bacilo está circulando na unidade ou se em algum momento pode ter dado entrada algum paciente já com a bactéria.

Ele explicou que, semanalmente, tem enviado relatórios à Secretaria de Saúde do Estado informando sobre a situação no hospital, mas não houve visita de representantes da Vigilância Epidemiológica estadual, que teria condições de fazer a análise da bactéria para verificar a origem das contaminações.

"Vou enviar um relatório esta semana para notificar esse novo caso e vamos sugerir se seria possível eles [representantes da vigilância do estado] fazerem essa análise pra gente. Pelo teste de DNA, se sabe se há uma linhagem só ou se tem outras. O estado não mandou nenhuma proposta até agora de como evoluir na investigação", afirma Gouvea.

A Secretaria de Saúde do Estado informou que acompanha as ações feitas pela Prefeitura e que, até o momento, não foi pedido apoio.

Contágio

O contágio da bactéria KPC acontece por contato, mas não socialmente. No caso de pacientes acamados infectados, a chance é maior de uma contaminação.

"Os pacientes acamados não têm controle da sua excreção, evacuam na cama, na hora do banho, contaminando o ambiente, cama, mobília, avental. Acaba colonizando de bactérias a pele inteira e acaba afetando os órgãos internos. Enquanto está no trato digestivo não tem problema. O problema é quando atinge outros órgãos", explica Gouvea.

O maior risco é para os pacientes que estão com problemas graves de saúde internados no hospital. No entanto, uma pessoa com imunidade alta pode ter a bactéria no organismo sem qualquer manifestação de sintomas, e acaba eliminando-a naturalmente.

Outro surto
O Hospital Municipal de Americana registrou um surto da superbactéria KPC em 2014, quando, de fevereiro a março, sete casos foram confirmados do bacilo. Duas pessoas morreram. Na época, as cirurgias eletivas foram suspensas.

Hospital Municipal de Americana (Foto: Reprodução / EPTV)
Fonte: G1





Link:





Deixe seu Comentário


Newsletter
Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.