Aposentada com marca-passo é barrada ao entrar em banco com detector em Cosmópolis

Aposentada com marca-passo é barrada ao entrar em banco com detector em Cosmópolis

Por Roberto 07/10/2016 - 22:28 hs

Aposentada com marca-passo é barrada ao entrar em banco com detector em Cosmópolis
Mulher tem marca-passo e foi proibida de entrar em banco

Aposentada disse que foi barrada por gerente em agência de Cosmópolis. 
Empresa afirmou que mulher recusou passar por revista, mas foi atendida.

 

Uma aposentada foi impedida de entrar em agência do Banco do Brasil, na tarde desta sexta-feira (7), em Cosmópolis (SP). Maria Eleuzia da Conceição, de 53 anos, disse que foi barrada mesmo após comunicar o gerente que não poderia passar pelo detector de metal porque usa o aparelho no coração há quatro anos. O dispositivo de segurança pode causar problemas no funcionamento do marca-passo, segundo ela.

O Banco do Brasil afirmou que a cliente recusou passar por revista com detector manual, da cintura para baixo, mas que ela foi atendida pela gerência.

Ainda de acordo com a aposentada, essa foi a segunda vez que passou por esse tipo de constrangimento na agência. “No mês passado, ele (o gerente) me barrou. Eu entreguei  para ele a carteirinha do marca-passo, mas ele disse que não servia, pois eu tinha que levar uma carta do médico e que ele não poderia permitir a entrada sem passar pelo detector de metal, mas eu não posso e ele tem consciência disso”, afirmou.

Maria, que recebe a aposentadoria na agência, disse que teve que entregar seu dinheiro para funcionários do banco para que eles realizassem as operações financeiras que ela necessitava.

"O gerente disse que a única solução era eu passar o meu dinheiro para um funcionário lá dentro e eles depositariam o dinheiro. Foi um transtorno, o banco estava cheio de gente e eu fiquei muito nervosa, até chorei. Hoje aconteceu a mesma coisa, mas dessa vez ele nem veio me atender mandou um funcionário”, disse.

Maria afirmou também que antes o banco a deixava utilizar uma porta especial para deficientes, mas que agora nem isso é permitido. “Eles estão alegando que eu só posso passar pela porta para deficientes, se eles passarem o detector de metal manual em mim, mas se eu passar pela porta giratória com detector ou aceitar que eles passem o detector em mim, o marca-passo pode dar problema. Eu estou seguindo orientações do meu médico cardiologista”, disse.

Indignada com situação, a aposentada resolveu registrar um boletim de ocorrência em uma delegacia de Cosmópolis e disse que vai processar o banco por constrangimento.

Banco do Brasil


Em nota, o Banco do Brasil afirmou que todas as agências têm portas giratórias com detector de metal para segurança dos clientes, funcionários e público em geral. "Clientes portadores de marca-passo recebem atendimento adequado, por meio de acesso alternativo, após o vigilante realizar procedimento de segurança com uso do detector (manual), sempre da cintura para baixo", disse a instituição financeira.

Em relação ao caso de Maria Eleuzia da Conceição, o Banco do Brasil afirmou: "Nosso atendente prestou os esclarecimentos e solicitou seu consentimento para fazer a vistoria com o detector de metais manual. Ela não concordou, mas foi atendida em suas demandas pela gerência da agência".

 

Fonte: G1