É difícil ser empregado neste país

Por Lourival Figueiredo Melo 28/01/2019 - 20:23 hs
É difícil ser empregado neste país
Lourival Figueiredo Melo é presidente da FEAAC e do SEAAC de Santos e Região

 

Totalmente inverso do que falam alguns empresários, alguns políticos recém-eleitos e outros que na legislatura passada fizeram de tudo para aprovar o monstrengo chamado reforma trabalhista, de que é difícil ser empresário no Brasil, esta afirmação é totalmente falaciosa e mentirosa.

 

Como é mentiroso que tem muita lei que protege o meio ambiente, querendo criar regras de proteção para “formiga e sapo”.

 

A verdade é que grande parte dos políticos deste País está a serviço do  “Mercado de Capital”. Por isso, precisam retirar direitos e qualquer proteção aos trabalhadores e também ao meio ambiente. Assim, fica mais fácil para os falsos empresários obterem lucros, sem se importar com a saúde, com as condições de vida dos trabalhadores e, muito menos, com o meio ambiente.

 

Para os empresários e políticos defensores do mercado e do capital, existe no Brasil uma indústria de multa. Não é verdade, pois existiam milhões de ações na justiça do trabalho, de empresas e empresários que não respeitavam a legislação existente até novembro de 2017, por falta até de pagamento de salários, o mesmo se aplicando à questão do meio ambiente. Ora, se empresas e empresários eram multados, é porque desrespeitavam a legislação existente. Ninguém é punido por estar fazendo a coisa correta.

 

O que existe neste País, na verdade, é a Indústria do Perdão, indústria de conceder benefícios com o dinheiro público para empresas e empresários sem qualquer contrapartida para o povo deste País.

 

Infelizmente os acontecimentos de Mariana em 2015 e agora em Brumadinho, por serem um crime contra trabalhadores e meio ambiente, demostram na verdade que as empresas continuam fazendo operações inseguras, enquanto o Estado se contenta em fazer inspeções para inglês ver.

 

E a coisa poderá piorar, tanto para o meio ambiente como para os trabalhadores, se o atual governo e seus apoiadores no Congresso Nacional cumprirem a promessa de flexibilização ainda maior da legislação trabalhista e do meio ambiente.

 

Não adianta fazer “Gabinete de Crise”. É preciso ter leis rigorosas de proteção aos trabalhadores e ao meio ambiente, além de fiscalização permanente, que efetivamente fiscalize com responsabilidade e aplique as punições a quem não cumpre a legislação.


O difícil neste país não é ser empregador. O difícil é ser trabalhador. É ser vítima de péssimos empresários, que só pensam no lucro.

 

No mais, nossos sentimentos a todos os familiares dos trabalhadores e moradores , vítimas deste crime cometido pela empresa.

 

Lourival Figueiredo Melo é diretor secretário geral da CNTC, presidente da FEAAC e do SEAAC de Santos e Região