Limites entre arte e vida

Por Oscar DAmbrosio 09/05/2019 - 13:26 hs
Limites entre arte e vida
Oscar DAmbrosio é jornalista e gerente de comunicação e mkt da Faculdade de Ciências Médicas de SP

 

Filme grego que tem o extraordinário poder de nos fazer refletir do princípio ao fim, “Interrupção”, de Yorgos Zois, tem como ponto de partida a encenação, em uma montagem pós-moderna, de uma tragédia grega. A concepção da direção, porém, ganha dimensões mais amplas quando ocorre a interrupção a que se refere o título.


Sete jovens sobem ao palco e, armados, autodenominado- se de coro, tomam o controle da situação e dão ao espetáculo uma nova forma. Convidam pessoas a subir ao palco e a participarem ativamente como juízes do destino de Orestes, que matou a mãe e o padrasto, que haviam assassinado o seu pai.


Progressivamente, os limites entre realidade e ficção são eliminados, com as armas sendo disparadas e causando mortes reais. As emoções se mesclam no púbico, que não sabe mais até que ponto tudo é uma encenação ou um ataque terrorista. A atmosfera torna-se cada vez mais tensa, a ponto de não se saber mais qual é o papel de cada um naquele contexto.


Alguém poderia mudar o destino proposto pelos fatos que ocorrem ao vivo? Quando o líder da interrupção dá um tiro na própria cabeça, evidencia-se ainda mais a ausência de um destino programado para a vida de cada um de nós. Isso se acentua quando dois dos membros do público, convidados a subir ao palco pelos responsáveis pela interrupção, revelam ser ator e aspirante a diretor.


A situação os empodera, mas nem por isso a tragédia deixa de ocorrer. O canto do bode, como significa a sua origem etimológica, se realiza, com a expiação em forma de morte, dor, sofrimento e sangue ritual. Assim, o ser e o parecer ganham o centro da cena e o destino humano é questionado pelo filme com rara profundidade.


Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.