Segredos da arte

Por Oscar DAmbrosio 11/03/2020 - 15:18 hs
Segredos da arte
Oscar D´Ambrosio é jornalista e gerente de Comunicação e MKT da Faculdade de Ciências Médicas de SP

Para quem ama a arte, o filme “Retrato de uma jovem em chamas” tem um apelo especial. Para quem se dedica à pintura de retratos, ganha um sabor adicional por tratar o tema de maneira diferenciada. E, para quem deseja discutir manifestações da homossexualidade feminina, a obra contribui por trazer elementos de grande complexidade e delicadeza.

A diretora Céline Sciamma ambienta o drama no século XVIII. Noémie Merlant consegue retirar o máximo da sua personagem, uma pintora de retratos contratada para fazer um quadro de uma moça (Adèle Haenel), que não deseja posar. O motivo é simples: a imagem será levada para a Itália e se o pretendente gostar do que vê, oficializará o casamento, que a moça não quer.

A pintora é contratada pela família como uma dama de companhia e, enquanto passeiam e ficam próximas, ela vai fazendo às escondidas o retrato. A proximidade gera uma relação entre ambas plena de erotismo, delicadeza e reflexão sobre o que significa o amor. E, como se verá, de uma forma ou de outra, ele sobreviverá ao tempo e às separações.

O filme mostra como a arte do retrato é repleta de sutilezas. Demanda muito mais do que habilidade técnica e capacidade de observação. É necessário captar a essência do retratado, o que está além do tom da pele e da posição das mãos. Trata-se de um exercício de conhecimento e reconhecimento de almas e temperamentos.  E de muita poesia, como o filme bem mostra.

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.