Em Tempos de Dificuldade

Por Paulo Eduardo de Barros Fonseca 03/09/2020 - 13:53 hs
Em Tempos de Dificuldade
Paulo Eduardo Fonseca é vice-presidente do Conselho Curador da Faculdade de Ciências Médicas de SP

Dependendo da forma como encaramos nossa existência material, a vida pode ser uma história de superação ou um drama, na monotonia da mesmice, quando o homem cria um verdadeiro vazio existencial tornando-se refém da sua própria infelicidade.

Os desafios existenciais a que somos submetidos pelas provas do cotidiano oportunizam a possibilidade da superação pessoal, que será facilitada na medida em que houver compreensão de que somos sementes da perfeição e que estamos num processo de eclosão, que vai permitir o completo desenvolvimento daquilo que somos.

Essa certeza torna tudo mais simples porque implica no entendimento de que cada qual é responsável pela sua própria transformação.

Jesus, paradigma da humanidade, que constitui o tipo de perfeição moral que devemos aspirar, bem exemplificou a postura que deve ser seguida quando, por exemplo, sabedor das aflições a que seria submetido disse “Pai, todas as coisas te são possíveis; afasta de mim este cálice; não seja, porém, o que eu quero, mas o que tu queres” (Marcos 14:36).

A superação pessoal, por meio da aceitação dos desígnios de Deus, resulta na reforma íntima e também em crescimento espiritual.

Em tempos difíceis o vencedor será aquele que, tendo aliado a razão com a fé, faz uma reflexão acerca de si mesmo e da forma como a provas da vida corpórea são necessárias para o desenvolvimento do espírito.

Como ninguém é mais ou menos sofredor do que alguém, todos que habitam este planeta serão submetidos às suas provas. Ainda que isso não esteja claro quando a oportunidade se nos apresenta, com base na lei de causa e efeitos, tudo tem explicação.

A prática da lei divina, tão bem exemplificada pelo mais completo modelo de perfeição que é Jesus, propiciará uma profunda ação transformadora em cada criatura humana, antecipando as características do homem do amanhã.

Resignação, humildade, fé, perdão e caridade, que é o amor colocado em prática, nos ajudam a transpor com inteligência e moralidade os tempos de dificuldade, viabilizando que desfrutemos de tudo que há de bom em nossas vidas.

Paulo Eduardo de Barros Fonseca é vice-presidente do Conselho Curador da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.