Onde é que mora a amizade?

Por José Renato Nalini 08/09/2021 - 13:34 hs
Onde é que mora a amizade?
José Renato Nalini é reitor da Uniregistral, docente da pós-graduação da Uninove e presidente da APL

Esta indagação é um dos versos das “trovas acadêmicas” da São Francisco: “Onde é que mora a amizade, onde é que mora a alegria? No Largo de São Francisco, na velha Academia...’.


Pois é. Os estudantes iam para a Faculdade muito entusiasmados, alegres, sabendo que iriam conversar com colegas, ouvir coisas fabulosas dos lentes respeitados, paquerar. Havia de tudo no curso de Bacharelado.


O patriotismo era algo ínsito ao estudante de Ciências Jurídicas e Sociais. Não era necessário explicar o que seria “Estado de Direito” e “Democracia”. Conceitos univitelinos. Algo que, formalmente, perdura até hoje. A República Federativa do Brasil é um “Estado de direito de índole democrática”.


O que parece ter desaparecido é aquele amor entranhado à Pátria que se traduzia também no amor pelos colegas e amigos. Formavam-se “tribos”, depois “galeras”, mas elas eram unidas, coesas, conviviam fraternalmente.


Uma celebração do Dia da Pátria era a culminância de um preparo que acontecia em todas as escolas, fossem públicas ou privadas. Formavam-se os batalhões, o professor de educação física ensinava a marchar, treinavam-se as fanfarras e a glória para qualquer aluno seria integrar essa verdadeira banda, para a qual havia ensaios durante todo o mês de agosto.


Outro destaque honorífico era carregar a bandeira nacional, a bandeira paulista e a bandeira do colégio. Havia disputa com o preparo de um pronunciamento submetido à votação dos colegas. Era uma disputa acirrada, para, no 7 de setembro, envergando uniforme reluzente, defender a honra de sua escola numa verdadeira competição. Pois os municípios costumavam entregar troféus para as maiores representações, para a melhor fanfarra, para o melhor conjunto, havia multiplicidade de critérios para a eleição dos que mereciam o pódio.


Todos se envolviam nessa festa cívica. Os mais criativos elaboravam “evoluções”, exercícios que a fanfarra faria, junto ao palanque onde se postavam as autoridades. Enfim, era algo que movimentava e motivava toda a família escolar.


Tempos bons. Não havia polarização. O máximo seria uma emulação respeitosa. Tudo pela Pátria, que podia contar com seus filhos impregnados de respeito e devoção. Será que um dia isso voltará? Onde foi morar agora a amizade?

 

José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2021-2022.