Se não começar cedo...

Por José Renato Nalini 29/11/2021 - 15:47 hs
Se não começar cedo...
José Renato Nalini é reitor da Uniregistral, docente da pós-graduação da Uninove e presidente da APL


O descalabro em que o planeta se encontra deriva da negligência em formar gerações conscientes de seu papel nesta jornada. A educação antiga não privilegiou o capítulo do relacionamento entre ser humano e natureza, esta concebida na velha formatação de servir, incondicionalmente, aos interesses dos “racionais”.


Se existe alguma esperança de reversão do quadro tétrico anunciado pela ciência, é preciso cuidar das crianças de hoje. Elas são sensíveis e terão respostas mais saudáveis do que as nossas em relação ao sofrido ambiente.


Não temos uma Greta Thunberg, corajosa ao “puxar a orelha” de governantes toscos. Mas temos crianças que, à sua moda, estão cuidando de salvar o mundo. O jornalista Italo Cosme fala de algumas crianças que já lideram ações benéficas. Vitória Skuera e Pietra Marcolino, ambas com nove anos, participam de uma cooperação internacional organizada pela Maple Bear em trinta países. Propõem soluções baseadas nos ODS da ONU. Bruna Saches, com doze anos, é vegana desde os quatro e hoje é embaixadora da campanha global Plant Based Treaty, que promove ações em cem cidades do mundo. Os maiores problemas do Brasil são a produção exagerada de lixo, queimadas e caça. Já Eloah Silva, com oito anos, é uma das mais ativas no Projeto Neac, no Rio. Troca material reciclável por Eco Real – a moeda sustentável mais antiga do país. Retira das vias a maior quantidade de lixo possível para trocar pelo dinheiro. Tudo com a ajuda de dois irmãos ainda mais novos.


Nos manguezais, Haley Sá Barreto, doze anos, mostra para outras crianças que a relação com os mangues pode ser diferente e saudável. Percorre 1,5 km de trilha no Eco-Museu para apresentar fauna e flora. No documentário do americano Bryan Buckley figura João Paulo Barrera, onze anos, como exemplo de criança que transforma o mundo. Ele criou dois projetos para limpeza de resíduos e escreveu três livros sobre o espaço sideral. Para João Paulo, não importa a idade, todos devem seguir a filosofia dos 3 Rs: Reduzir, reutilizar e reciclar.


Tenho a certeza de que outras crianças também fazem o que podem. São elas que nos ensinam que é possível assegurar um amanhã menos sombrio para os viventes e, principalmente, para os que ainda não nasceram. Mas é preciso começar logo. Se não se começa cedo, acaba-se como nós, aturdidos e apavorados, em pânico diante do que a ciência nos afirma que logo virá.


José Renato Nalini é Reitor da UNIREGISTRAL, docente da Pós-graduação da UNINOVE e Presidente da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS – 2021-2022.