Estrada iluminada: 2022. Provação

Por Nilton Moreira 07/01/2022 - 13:19 hs
Estrada iluminada: 2022. Provação
Nilton Moreira é inspetor de polícia e escreve semanalmente para o Região Hoje

Estrada Iluminada

2022. Provação.

                

Certamente este ano promete ser mais leve, apesar de ainda estarmos em meio a uma pandemia que assola o mundo, mas do ponto de vista de nosso Brasil acreditamos que será menos denso, afinal aprendemos muito e já sabemos que viemos a Terra para evoluir moralmente, muito embora existam espíritos que perdem a oportunidade enveredando para condutas errôneas e acabam sendo presas fáceis de obsessões.


Teremos eleições e isso traz para aqueles que estão contra as posições e ideias adotadas pelo nosso Presidente uma esperança de tirá-lo do poder, enquanto que também estão esperançosos da continuidade aqueles que aprovam e compactuam com as decisões e metas já alcançadas pelo nosso Dirigente. Será um ano de disputa de espaços bem tumultuada e só a Espiritualidade Maior sabe o que vai acontecer.


No âmbito de prefeituras também existe ansiedades pois alguns prefeitos estão sendo julgados por atos ilícitos, uns inclusive já foram afastados. Todos se dizem inocentes o que é natural, e a justiça certamente promoverá o julgamento final.


A palavra mais utilizada durante o ano e na virada foi saúde. Saúde no sentido de profissionalismo, pois fomos muito bem assistidos pelos trabalhadores da área que com dedicação cuidaram dos doentes e empenharam-se no trabalho de vacinação.


De outra banda a palavra fé também foi bastante proferida ao longo do ano, principalmente por aqueles cuja religião dizem não poderem se vacinar e que está Deus no comando.


Tivemos e continuamos tendo pessoas que relegam a máscara, o que particularmente acho um desrespeito para com outrem, já que ficou comprovado que as gotículas expelidas podem contaminarem e a cada dia surge algum parente ou conhecido doente.


Mas todas estas situações nos fazem refletir como queremos atravessar as provações de 2022! Certo é que se continuarmos a cometer os mesmos equívocos não poderemos dizer que é um ano novo, e sim mais um ano que vai “passar em branco”.


Jesus também enfrentou dificuldades no que diz respeito a eleições, pois primeiro o receberam com tapete vermelho e depois foi alvo de plebiscito que o condenou por pregar ideias contrárias ao governo. Também aplicou passes com imposição das mãos, promovendo cura de milhares de doentes leprosos e obsediados, esclarecendo que tais consequências tinham origem na má conduta, o que denominava pelo termo pecado, inclusive curava e alertava que mudassem de comportamento para que algo de pior não lhes acontecesse.


Então nos resta manter o pensamento elevado, continuar acreditando na saúde, tendo fé, para que o Ano seja mesmo Novo. 


Nilton Moreira é inspetor de polícia e escreve semanalmente para o portal Região Hoje