ACIC torna-se polo da Faculdade do Comércio de São Paulo

Por Roberto 11/09/2021 - 09:51 hs

ACIC torna-se polo da Faculdade do Comércio de São Paulo
Acic cede instalações para alunos da faculdade


Com a cessão de espaços em sua sede na Rua José Paulino, no Centro de Campinas, os alunos não precisarão mais realizar as provas presenciais na capital paulista. As instalações contarão com um laboratório com computadores para a sua utilização pelos estudantes. Num primeiro momento serão oferecidos quatro cursos técnicos. As inscrições para a primeira turma podem ser feitas até o próximo dia 15.

A Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC) é, a partir deste mês, um polo da Faculdade do Comércio de São Paulo (FAC-SP), uma iniciativa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). 


Embora a Faculdade ofereça ensino a distância (EAD), as provas e algumas atividades esporádicas são presenciais e, a partir de agora, os alunos de Campinas e região podem realizá-las na sede da ACIC, na Rua José Paulino, 1.111, Centro, sem a necessidade de se deslocarem até a capital paulista. As instalações disponibilizadas pela ACIC comportam um laboratório com computadores para uso dos estudantes. Em um primeiro momento, serão oferecidos quatro cursos técnicos: Gestão Comercial, Logística, Recursos Humanos e Sistemas para a Internet. 

Embora a primeira aula tenha acontecido na semana passada, em 1º de setembro, as matrículas para a primeira turma da Faculdade em Campinas podem ser feitas até o próximo dia 15. A segunda turma será iniciada em 1º de novembro, com processo seletivo a partir de 16 de setembro. Informações e inscrições no site https://www.facsp.com.br.

“A proposta é ofertar a primeira graduação, em especial para as classes C e D, e qualificar quem já está no mercado de trabalho. A FAC-SP proporciona aos alunos a sua inserção em um ambiente empresarial para que possam desenvolver novas competências, seja como gestores, empreendedores ou colaboradores que dominam as necessidades do mercado atual, pautado pelas inovações disruptivas responsáveis pela transformação digital, acelerada na pandemia”, explica a presidente da ACIC, Adriana Flosi.

Os cursos técnicos de Gestão Comercial, Logística e Recursos Humanos visam à formação específica nessas profissões e estão relacionadas às novas demandas do mercado de trabalho. A duração plena desses cursos é de 1.880 horas. Já o curso de Sistemas para Internet é realizado entre dois e três anos com duração plena de 2.380 horas. As mensalidades custam R$ 185,00, sendo que os associados da ACIC têm 30% de desconto.

 

Sobre a FAC-SP

Mantida pelo Instituto Paulista de Ensino Superior do Comércio S/A, a Faculdade do Comércio de São Paulo (FAC-SP) tem como objetivo a qualificação inovadora e inteligente do comércio, varejo e serviços, conectando e preparando o profissional para as novas demandas do mundo digital.

Inaugurada no início da pandemia do novo coronavírus, em 2020, a FAC-SP é uma iniciativa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), entidade com mais de 125 anos, independente de governos e sem fins lucrativos, dedicada à representação dos empresários, empreendedores e à defesa da democracia e da livre iniciativa.


Também é iniciativa da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (FACESP), entidade que congrega mais de 420 Associações Comerciais em todo o Estado de São Paulo e que está presente em um universo de 200 mil empresários e empreendedores associados. 

Avaliação do comércio - Agosto

Os dados de agosto de 2021 da  Boa Vista - SCPC, avaliados em função do nível de faturamento, apresentaram uma elevação de 9,2% em relação ao mesmo mês de 2020 e de 11,06% em relação a julho deste ano. O economista Laerte Martins, diretor da ACIC, destaca que, em agosto,  a movimentação das vendas do Dia dos Pais, que cresceu 25,5% na comparação com 2020, contribuiu para os resultados positivos. “A partir de maio de 2021, quando as atividades não essenciais do comércio varejista começaram a ter ampliados os horários de funcionamento e houve avanço na aplicação das vacinas contra a Covid-19, os volumes de vendas passaram a ser maiores do que os registrados em 2020: o faturamento de maio, no comparativo com o mesmo mês do ano passado cresceu 1,75%; o de junho, 6,1%, o de julho 8,7% e, em agosto, 9,2%.

MANTENHA-SE BEM INFORMADO! COLABORE COM O REGIÃO HOJE ENVIANDO UM PIX DE QUALQUER VALOR PARA A CHAVE CPF 038.784.708-19

“No acumulado do ano (janeiro a agosto de 2021), o comércio varejista da Região Metropolitana de Campinas começou a reverter a perda de R$ 79,3 milhões nos sete primeiros meses e registrou um ganho de R$ 135,9 milhões no faturamento de vendas no comércio e serviços. No período de janeiro de 2020 a agosto de 2021, a perda foi reduzida a R$ 5,3 bilhões, considerando esses R$ 135,9 milhões de receita dos oito meses deste ano”, explica Laerte Martins.

Considerando apenas as vendas físicas, o faturamento em Campinas, em agosto de 2021, foi de R$ 1,146 bi, que representam 109,2% na comparação com agosto do ano passado. Na RMC, o faturamento foi de R$ 2,729 bilhões, também significando 109,2% com agosto de 2020.

Nas vendas de Bens Não Duráveis, o setor de Supermercados evoluiu 10,5%, o de Postos de Combustíveis, 9,2% e o de Drogarias e Farmácias 6,2%. Nas vendas de Bens Duráveis, o destaque é para os setores de Material de Construção, que cresceu 6,9%, e o de Vestuário, com aumento de 2,2%, na comercialização de produtos. Nas vendas de “Serviços”, o setor de Bares e Restaurantes começa a crescer, com 1,8% de aumento em agosto de 2021 . Já o setor de Turismo e Transportes, ainda em queda, sofreu redução de 0,95%) no mês passado. Nas vendas digitais do varejo (e-commerce), a expansão foi em 25,2%, elevando o faturamento de R$ 123,9 milhões registrado em julho para R$ 155,1 milhões, em agosto.

Inadimplência

A inadimplência no comparativo agosto de 2021 X agosto de 2020, teve uma pequena elevação de 1,12%, gerando 188.426 carnês/boletos não pagos, que correspondem a R$ 135,7 milhões em valores de endividamento dos consumidores de Campinas. Na RMC, foram registrados 448.633 carnês/boletos não pagos, correspondendo a R$ 323,0 milhões.

“A evolução do varejo em Campinas e Região demonstra uma melhora graças à intensificação do processo de vacinação. Mas, por outro lado, as instabilidades política e econômica começam a fluir negativamente em todo o processo produtivo do país, com reflexos na redução do Produto Interno Bruto (PIB) para valores abaixo dos 4,5% projetados para 2021, podendo cair para 2% até o final do ano”, explica o economista.