Profissionais da Saúde de Nova Odessa conhecem projetos de Saúde Mental de Limeira

Por Roberto 09/10/2021 - 09:31 hs

Profissionais da Saúde de Nova Odessa conhecem projetos de Saúde Mental de Limeira
Visita à Saúde Mental de Limeira


 

Um grupo de profissionais da Secretaria de Saúde de Nova Odessa esteve em Limeira na manhã da última quarta-feira, dia 06/10, para conhecer de perto o funcionamento da Saúde Mental do município. A visita foi feita pela secretária de Saúde novaodessense, Sheila Moraes, acompanhada pelo médico Leandro Feliz, da psicóloga Sandra Paulon, da estagiária de Psicologia Aldrei Frezza e da assessora Marineuza Lira.


 

Eles foram recebidos pelo secretário da Saúde de Limeira, Vitor Santos, que fez uma explanação sobre todos os serviços que a cidade oferece referentes à Saúde Mental. Um dos fatos que chamou a atenção foi em relação à aquisição de medicamentos para esta área, que tem crescido muito, principalmente no pós-Covid.

 

Em 2019, foram gastos por Limeira cerca de R$ 12 milhões em medicamentos e, destes, 1/3 (ou seja, R$ 4 milhões) foram para a Saúde Mental. Limeira tem, atualmente, cerca de 200 pessoas em situação de rua, vítimas da drogadição. Visando esse público, em maio deste ano, foi iniciado lá o Programa “Consultório na Rua”, para o atendimento primário de Saúde à população de rua.


 

“Quando falamos em drogadição, a recuperação é muito pequena. Quando olhamos com um olhar cristão, dizemos que, ao recuperar uma pessoa, recupera-se uma família, e o céu se regozija”, disse, emocionado o secretário limeirense. “Acredito que tudo que causa uma dependência é uma droga, quando as pessoas perdem os sonhos, perdem o sentido da vida. E, para sair da droga, temos dois caminhos, pelo amor e pela fé. Ai entra a comunidade terapêutica”, comentou Vitor Santos.

 

Ele mencionou ainda a mudança que fez no Ambulatório de Saúde Mental e a retirada das crianças do local, oferecendo tratamento multiprofissional. No momento, também investem na futura instalação do CAPS III (Centro de Atenção Psicossocial) com foco no atendimento 24 horas para a estabilização do quadro agudo de pacientes de referência com transtornos mentais severos e persistentes.


 

Vitor Santos ainda da grande importância em fortalecer a atuação dos psicólogos, “pois a maioria vai direto para a medicação, e isso é muito prejudicial”. Outra questão é valorizar mais o tratamento da criança e os cuidados com a família. “Costumo dizer que não temos problemas e sim um mar de oportunidade. Nosso objetivo é amenizar o sofrimento das pessoas. Temos muito o que aprender em conjunto, pois este é um tema difícil”, acrescentou o secretário.

 

“As pessoas estão isoladas, principalmente pelo momento que vivemos, mas somos tribais, precisamos do núcleo familiar. O que eu mais cobro aqui é o acolhimento. Nossa responsabilidade social é grande”, afirmou o gestor limeirense.

 

EM NOVA ODESSA

 

Já Sheila Moraes comentou que, em Nova Odessa, o serviço voltado à Saúde Mental estava ocorrendo de forma muito tímida até 2020. O CAPS não tinha habilitação e estava mal instalado. O serviço foi realocado em um novo prédio da UBS 7, que estava fechado. Então passou a ser um local de Atenção Básica com foco no atendimento da Saúde Mental.

 

A nova gestão novaodessense também reforçou a equipe de profissionais da área, para melhorar o atendimento. “No início deste ano, realizamos mutirões com psiquiatras, pois tinha uma fila de espera de cerca de 1 mil pacientes. Mas temos melhorado a cada dia o atendimento nesta área”, comentou a secretária.

 

A equipe foi acompanhada pela chefe da Divisão de Especialidades de Limeira, Mayra Araújo, para conhecer o CTI (Centro de Terapia Integrada), com equipe multidisciplinar e atendimento para crianças e adultos, para casos mais leves ou moderados. Visitaram o CAPS I – Infantil, os casos que mais aparecem nesta unidade são: ansiedade, ideação suicida e automutilação.

 

“Tem muita criança evasiva da escola, os profissionais fazem reuniões semanais com os pais. A maior dificuldade neste local é para desconstruir um diagnóstico, muitas vezes uma criança chega com vários diagnósticos e tomando muitos remédios. Tem que investigar o quadro e chegar a um diagnóstico para tratamento mais assertivo”, acrescentou o titular de Limeira.

 

Os profissionais novaodessenses visitaram ainda o CAPS AD – Álcool e Drogas, onde souberam que Limeira trabalha ainda com o CAPS 2 – Psiquiátrico. “Estamos buscando ampliar nossos conhecimentos e parcerias para sempre melhor atender a população de Nova Odessa”, finalizou Sheila Moraes, de Nova Odessa.