Hospital PUC-Campinas realiza procedimento inédito

Por Roberto 23/03/2022 - 10:16 hs

Hospital PUC-Campinas realiza procedimento inédito
Hospital da PUC Campinas


O Hospital PUC-Campinas realiza nesta quarta-feira (23), às 14h30, um procedimento inédito em Campinas e Região denominado POEM (Peroral Endoscopic Myotomy), ou miotomia endoscópica pela boca. A técnica é minimamente invasiva, não há cortes externos, e foi criada em 1980 por Ortega e aperfeiçoada por Inoue em 2008.

O paciente A.C.F, 46 anos, atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), tem diagnóstico de acalásia primária (distúrbio raro que dificulta a entrada de alimentos e líquidos no estômago), doença idiopática, sendo no Brasil a sua principal causa a Doença de Chagas.


Para essa doença a indicação de tratamento era por dilatações do esôfago, onde a reincidência é muito alta, ou com indicação de cirurgia laparoscópica ou aberta, dependendo do caso com a retirada total do esôfago (esofagectomia total). São técnicas invasivas com alta morbidade.

“O resultado do POEM é idêntico ao procedimento cirúrgico, o qual ainda se realiza na maior parte dos lugares por ausência de desenvolvimento dessa técnica endoscópica. O pós-operatório desse procedimento é muito satisfatório. Em dois dias, em média, o paciente recebe alta e a alimentação poderá ser normal ou habitual no dia seguinte ao procedimento. A morbidade e reicidiva são baixas, desde que tenha uma realização adequada e materiais apropriados”, explica o cirurgião e coordenador da cirurgia torácica do Hospital PUC-Campinas, José Luis de Aquino.

O especialista explica que para a realização do procedimento e sucesso da técnica endoscópica há necessidade de alguns materiais e acessórios específicos, mas o custo é infinitamente menor em comparação a cirurgia laparoscópica ou aberta, beneficiando os pacientes do SUS, onde está concentrado a maior parte dos pacientes com diagnóstico de Doença de Chagas.

Para o procedimento, o cirurgião contará com a participação do médico Eduardo H. Moura, chefe do Serviço de Endoscopia da USP (São Paulo), e a equipe do Serviço de Endoscopia do Hospital PUC-Campinas, sob coordenação do endoscopista, cirurgião do aparelho digestivo, Pedro Ishida.