Sem acordo, greve dos caminhoneiros segue; postos estão sem combustíveis

Por Roberto 24/05/2018 - 12:08 hs

Sem acordo, greve dos caminhoneiros segue; postos estão sem combustíveis
Postos ficaram sem combustíveis rapidamente e encerraram o expediente

Os caminhoneiros entraram hoje (24) no quarto dia de manifestações contra o preço elevado dos combustíveis. Na noite desta quarta-feira (23), o presidente da Petrobras, Pedro Parente, anunciou uma redução de 10% no valor do diesel nas refinarias por 15 dias. A decisão, segundo ele, busca contribuir com uma possível trégua no movimento da categoria.

 

Na região, boa parte dos postos já fechou por falta de combustíveis. Em Santa Bárbara e Americana, hoje pela manhã, vários estabelecimentos já tinham encerrado o expediente devido à grande procura desde ontem. Nos postos que ainda tinham combustíveis, as filas estavam quilométricas. Em todo o país, a situação é semelhante.


Em São Paulo, o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do estado, José Alberto Paiva Gouveia, informou que, desde o início dessa quarta-feira (23), os postos de abastecimento do estado não receberam combustível, e há estoque para operar só por até três dias. No Rio de Janeiro, de acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Município (Sindcomb), ao menos metade dos postos da capital estará, nesta quinta-feira, sem algum dos três combustíveis: gasolina, diesel ou etanol.


Ainda no Rio, os produtos comercializados nas Centrais de Abastecimento (Ceasa), principal centro de distribuição de hortifrutigranjeiros no estado, já registram grande alta de preços. Em São Paulo, a Associação Paulista de Supermercados (Apas) informa que as paralisações já causam desabastecimento nos supermercados, em especial nos itens de frutas, legumes e verduras, que são perecíveis e de abastecimento diário.

 

DESONERAÇÃO

 

A Secretaria-Geral da Mesa do Senado ainda não recebeu da Câmara o projeto de Lei 8456/17, que acaba com a desoneração da folha de pagamento para a maioria dos setores hoje beneficiados. O substitutivo do relator, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), aprovado ontem (23) pelos deputados também isenta o óleo diesel das alíquotas do PIS e da Cofins até 31 de dezembro de 2018.


A partir da chegada da proposta ao Senado, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE), dirá como será a tramitação da matéria. No momento quatro medidas provisórias (MP) trancam a pauta da Casa e, apesar da urgência do projeto, ele só poderá ser votado no plenário do Senado depois que todas essas MPs forem apreciadas.