Municípios discutem mobilidade urbana em reunião em Americana

Por Roberto 29/08/2018 - 21:38 hs

Municípios discutem mobilidade urbana em reunião em Americana
Mobilidade urbana é tema de reunião de municípios

Representantes das cidades de Americana, Santa Bárbara d’Oeste, Piracicaba, Rio Claro, Limeira, Campinas, Amparo, Bragança Paulista e Jundiaí participaram na terça-feira (28), na Prefeitura de Americana, da 5ª Reunião da Rede de Governança de Municípios – Região Central, com o apoio da Unidade de Transportes e Sistema Viário (Utransv) e organização do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, programa do Governo do Estado, que tem como principal objetivo reduzir pela metade os óbitos no trânsito no Estado até 2020.

 

A reunião de trabalho é realizada a cada dois meses para promover a discussão sobre o tema Mobilidade Urbana e apresentar dados sobre o desempenho de cada município com relação à segurança no trânsito. A cada encontro, é destacado um tema para apresentação e discussão entre os municípios.

 

A palestra “A Bicicleta e o Futuro das Cidades” foi o tema destacado no encontro de Americana, com a abordagem de Fábio Nazareth, pós-graduado em Comunicação Institucional, atuando há mais de dez anos com foco em mobilidade por bicicleta, conselheiro e consultor da Associação Transporte Ativo.

 

O profissional, que atuou também como coordenador de Comunicação do Instituto de Políticas de Transportes e Desenvolvimento (ITDP-Brasil), fez uma explanação sobre as vantagens da utilização de bicicletas para o transporte e locomoção das pessoas nas mais diversas situações, promovendo a mobilidade urbana, saúde e qualidade de vida.

 

“A mobilidade urbana é uma questão de todo mundo hoje. É um desafio para as cidades. Chamamos de transporte ativo, todo o tipo de transporte que se movimenta com a nossa própria energia, como bicicletas, patins, skates, entre outros. Precisamos levar bicicletas às pessoas cada vez mais. A questão do transporte impacta muito a vida das cidades. A bicicleta já foi um item de luxo no passado e foi do luxo à popularização. Depois veio o automóvel, que significava status para o proprietário, e mexer neste modal é muito difícil porque a sustentabilidade é algo complexo”, explicou o palestrante Fábio Nazareth.

 

Segundo ele, o número de automóveis deverá quadruplicar até o ano de 2050, mudando o cenário das cidades. “O grande desafio será propor soluções,  buscar um planejamento diferenciado para administrar, por exemplo, o tempo de deslocamento no município. Se organizar para tentar criar políticas públicas para o atendimento das demandas, criar caminhos para os pedestres, idosos, planejar vias apropriadas, ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas, compartilhadas com ônibus, zonas 30, 15 km/h e, principalmente, investimentos em educação no trânsito, para que as pessoas tenham a capacidade de entender e respeitar o compartilhamento dos espaços”, disse Fábio.

 

As Parcerias Público-Privadas e o acesso aos programas do Governo são alternativas para a realização de ações nas cidades, segundo o palestrante.  “Os municípios podem implementar as políticas públicas para o transporte de bicicleta com a iniciativa do Poder Público e da sociedade em discutir o uso de bicicletas como transporte, contar com capacitação técnica e participação cidadã e, principalmente, criar os planos de mobilidade para poder acessar verbas federais, inclusive recursos do Programa Bicicleta Brasil que vem por aí, além de Parcerias Público-Privadas para contemplar estas ações. É um mix de situações que precisam ser conquistadas e encaminhadas”, concluiu.