Menina de 10 anos morre após ser picada por escorpião; soro não chegou a tempo

Por Roberto 07/11/2018 - 13:27 hs

Menina de 10 anos morre após ser picada por escorpião; soro não chegou a tempo
Maria Eduarda vítima de picada de escorpião não resistiu e morreu (Imagem Álbum da Família)

A falta de soro antiescorpiônico no Pronto-Socorro Dr. Edison Mano, na Vila Maria, em Santa Bárbara d'Oeste, pode ter agravado a situação e contribuído para a morte da menina Maria Eduarda Pigato, de 10 anos, picada por escorpião, na manhã desta quarta-feira (7).


Maria Eduarda estava na casa da avó no Jardim Europa, zona leste do município, quando ocorreu a picada do animal. De acordo com relato do padrasto, Cleiton Renato Ferreira, as picadas aconteceram quando ela colocava as roupas para ir à escola. “De manhã ela acordou e acho que ela foi colocar a roupa para ir na escola, daí tinha um escorpião e parece que picou o pé dela. Ela bateu a mão e parece que picou a mão dela também”, contou. 


De acordo com a Prefeitura, a menina deu entrada no Pronto-Socorro às 6h15 e a equipe médica realizou bloqueio e todos os procedimentos necessários de emergência, seguindo todo o protocolo para atendimento de casos de picada de escorpião. A morte de Maria Eduarda foi constatada às 7h45, antes que o medicamento chegasse à unidade de saúde a ponto de salvar a menina. O soro antiescorpiônico tinha sido solicitado ao Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, de Americana. 


REQUERIMENTO


No final de julho, o vereador Gustavo Bagnoli pediu informações à Prefeitura quanto às providências a serem tomadas pela população em caso de picada de escorpião e a situação do município no atendimento às vítimas. 


Na época, o parlamentar citou reportagens do Tododia a respeito de um menino de sete anos que morreu após ser picado por escorpião e do site de notícias G1, que relatava a morte da menina Yasmin Lemos de Campos, de apenas quatro anos, em Cabrália Paulista, também vítima de escorpião.


No requerimento, Gustavo ressalta que os primeiros socorros, atendimento e aplicação do soro contra o veneno do escorpião é vital para a vítima que, muitas vezes por demora no diagnóstico, ou devido à falta do antídoto, vítimas do ataque, acabam perdendo a vida, como mostra reportagem publicada no portal G1 - Ciências e Saúde, no dia 9 de julho deste ano, sob o tema "Por demora em diagnóstico ou falta do antídoto, escorpiões passam a matar mais do que cobras no Brasil".


Entre as perguntas encaminhadas à Administração, o vereador questionou se as unidades básicas de saúde e os prontos-socorros estão equipados e preparados para atender vítimas de ataques de escorpiões.


Na resposta enviada ao parlamentar em 6 de agosto, a Prefeitura informou que acidentes que envolvem picadas de escorpião são atendidos nos prontos-socorros municipais. Nesses casos, diz a resposta, a vítima é monitorada na unidade e, quando necessário, o médico aciona a referência estadual, qual seja, o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Campinas - Unicamp (regional responsável em atender toda a região), para fins de obtenção do antídoto. 

 

Outro vereador que tem se preocupado com a questão é Carlão Motorista, que fez apelo ao Executivo para realização de dedetização contra pragas nas galerias pluviais dos bairros Jardim Europa, Frezzarin, Santa Rosa II e Parque Planalto.


"Infelizmente, na manhã desta quarta-feira, fui surpreendido com a informação de que uma menina de 10 anos de idade faleceu em decorrência de picada de escorpião no Jardim Europa. Uma notícia triste, principalmente pelo motivo de que há alguns meses venho cobrando da prefeitura de Santa Bárbara d'Oeste, medidas para combater os escorpiões na cidade", escreveu o parlamentar em sua página no Facebook.